Firefox

Firefox

quarta-feira, junho 08, 2011

TIPOLOGIA TEXTUAL DESCRITIVA


INSTRUMENTAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA II

TIPOLOGIA TEXTUAL DESCRITIVA



A descrição, segundo Vilela e Koch, consiste na exposição das
propriedades, qualidades e características de objetos, ambientes, ações ou
estados (2001, p. 549). Ela possibilita ao leitor a visualização do objeto
apresentado, que passa a ser concebido mentalmente, a partir de um processo
linear de observação.

A tipologia textual descritiva é construída de forma concreta e estática,
sem progressão temporal. Segundo Marquesi, a primeira condição para saber
descrever é saber olhar (2004, p. 70). Nessa tipologia, observa-se a presença
de adjetivos ou locuções adjetivas e advérbios. As palavras assumem uma
grande força descritiva, por isso há o cuidado com o léxico (vocabulário).
Predominam os verbos de estado, no presente ou no pretérito imperfeito do
indicativo. A descrição sempre desempenha um determinado papel em um
gênero específico: exemplificação, nos gêneros argumentativos; ambientação e
apresentação de um personagem, nos gêneros narrativos. Exemplo:



MEL



Mencionado na Bíblia e no Alcorão, o mel era valorizado na Antiguidade
por suas propriedades medicinais e por ser praticamente a única fonte de
açúcar disponível.

Mel é um produto doce, fluído, de cor dourada escura, produzido por
vários tipos de abelhas a partir do néctar das flores ou de outras secreções
vegetais. As plantas das quais o néctar é coletado determinam o sabor e a cor
do mel: da acácia, da tília e do trevo produz-se um mel claro e doce; da
laranjeira, do rosmaninho e da alfazema, um mel com perfume característico; e,
das regiões de floresta, um mel geralmente escuro.

O néctar se transforma em mel pela inversão de sua sacarose em
levulose (frutose) e dextrose (glicose) e pela remoção da umidade excessiva. O
mel é armazenado na colméia em favos que são camadas duplas de células
hexagonais feitas de cera secretada pelas abelhas operárias. No inverno, o mel


serve como alimento para as larvas e outros membros da colônia. (MEL. In:
NOVA Enciclopédia Barsa. Vol. 9. 6ª Ed. São Paulo: Barsa Planeta Internacional, 2002).



Atividades:



1. Qual o gênero textual de MEL?
2. O texto situa o alimento no contexto histórico? Quando?
3. Define e descreve todas as suas propriedades e características?
Como? Com que classe gramatical de palavras?
4. A descrição é construída de forma estática, e não se observa a
progressão temporal. Portanto, os verbos predominantes estão
empregados em que tempo verbal?














Textos e exercícios extraídos, na íntegra, para uso exclusivo em aula, do livro:



KÖCHE, Vanilda Salton; BOFF, Odete Maria Benetti; MARINELLO, Adiane
Fogali. Leitura e produção textual: gêneros textuais do argumentar e expor.
Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2010, p. 21-22.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário